5 de maio de 2011

7SÉRIE: DRAMAS & MELANCOLIAS

Noches de juegos
Décimo Oitavo Capítulo - Más Lembranças, reencontros e desprazeres

Desirée era doida por João franco desde a infância. Ele fora o príncipe encantado, o Apolo a galopar o veloz baio que povoara seus sonhos adolescentes.

Já adulta e casada há algum tempo com Fuad Farah, ela sentia ainda tremer a alma quando ouvia qualquer comentário sobre o objeto do seu amor juvenil. Como eram de famílias próximas e possuíam um círculo de amizades comum, era corriqueiro terem notícias um do outro, ainda que vivessem distantes.

Logo que Alzirinha relatou que o irmão, agora defendia o pão vendendo seguros, Desirée não pensou duas vezes e, com a promessa de passar todos os seguros de seus bens - que não eram poucos -, para a carteira do objeto do seu platonismo, pediu que ele a visitasse. Não deu outra coisa, na semana seguinte lá estava o novo corretor, em busca de bons negócios, em frente ao portal da imponente mansão da amiga de infância.

Casado, na ocasião vivendo seu segundo casamento com Mariana, João não cogitava nada senão a ampliação de sua clientela. De qualquer maneira estava ansioso pelo reencontro e quando o mordomo o despejou na ampla sala, pode ver ao fundo, à beira da lareira, a bela silhueta de mulher. Pasmou, mas sem perder o prumo estendeu a mão e beijou-lhe doce e respeitosamente o rosto.

- Você está muito bem. O tempo tem sido generoso contigo. – João foi destilando frases de elevador e tratando de se sentar guiado pela voz suave e o brilho do olhar da amiga.
Naquela noite, pouco falaram sobre negócios. Passaram horas entretidos com bons vinhos e finos queijos. Ouviram música e riram com ridículas recordações. Na despedida agendaram para o fim de semana que, alongado pelo dia de São Paulo, proporcionaria a ocasião de apresentarem mutuamente seus esposos e filhos.

Chegou o 25 de janeiro e o dourado crepúsculo que banhava a porteira da fazenda Damasco tragou o automóvel que trazia João, Mariana e suas duas filhas.

- Velho, lhe juro por tudo que pode haver de mais sagrado, como não premeditei nada, nada, absolutamente nada. Quando percebi, já estava totalmente envolvido.

Com esta sentença, João, contrariado, iniciou a resposta ao questionamento sobre seu tumultuado romance, imposto por Jorge Onofre enquanto se encontravam velando o falecido Aristides, causa nobre e unicamente capaz de reaproximar duas figuras que há muito já tinham recíproco desprazer em se reverem.

Claudio Zumckeller

0 comentários:

Postar um comentário