2 de fevereiro de 2011

UMUNDUNU - NÃO CONSIGO ABRIR MEUS OLHOS

Acordei com o sol batendo em meu rosto, podia sentir seu calor aquecendo minha pele. Mesmo assim não consegui abrir os olhos. Permaneci imóvel por mais alguns minutos, até que percebi que já estava com os olhos arregalados e que mesmo assim não enxergava nada. Pensei então que fosse a luz, que ela poderia estar ofuscando minha visão, mas não. Mesmo não mais sentindo o calor em meu rosto, ainda assim não via nada. Levei as mãos à cabeça. Esfreguei meus olhos, mesmo assim não conseguia. Era desesperador.

Não sabia onde estava. Comecei então a procurar meus óculos, não vivo sem eles. Será que meu problema era esse? Levantei com medo, tateando a parede comecei a andar. Tropecei na cadeira, esbarrei no mesa. Sempre os deixo ali. Não estavam.

Não consigo ver o que há em minha frente. O desespero toma conta de mim agora. Quero gritar, mas isso não adiantaria. Eu quero é voltar a enxergar.

Tropeço em alguma coisa que está no chão e caio, tento me levantar apoiando em alguma coisa, mas nada esta ao meu redor. Deitado no chão começo a chorar, desesperado, vou rastejando quando sinto novamente um calor. Era o sol. Estava novamente próximo a uma janela.

Consigo me apoiar e me levantar. Vejo que há uma pia em minha frente, lavo o rosto, esfrego os olhos, mas nada. Nada me faz ver o que há em minha frente. Começo a tremer. Uma mescla de raiva, ódio, um sentimento de impotência.

Não consigo abrir meus olhos. Não vejo o que está em minha frente. Não sei mais fazer nada. Não sirvo pra nada e ninguém vem me ajudar. Não sei onde estou. Grito.

Ainda trêmulo ouço passos, vêem em minha direção. Aumentam a cada instante. De repente eles param. Ouço uma porta se abrir. A expectativa era enorme. O que seria? Quem seria? Não posso ver.

A porta se fecha e os passos seguem agora cada vez mais distantes. O que eu sou?
Onde estou? Por que não posso ver o que existe ao meu redor? Sou eu que não vejo ou não querem que eu veja?

Não posso contar com meus olhos. Não tenho mais certeza das coisas. Perdi meus olhos, mas perdi também minha identidade. Insano. Se não vejo não acredito, não sou, não existo. Morri!?

Renato Souza

3 comentários:

  1. Essa personagem vive a antecâmara da luz. O doloroso momento que precede o despertar. Aceitar essa "cegueira" é enxergar.
    O mito platônico narra que poucos são capazes de perceber que o que veem são somente sombras.
    Um exemplo mais prático: foi após perder a visão que o menino Ray Charles passou a enxergar a música, sua essência.

    ResponderExcluir
  2. Renato,
    Procure um especialista. Acho que você está com depressão. Ou falta de sexo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. O especialista seria um médico ou uma moça da vida?

    ResponderExcluir