10 de setembro de 2010

UMUNDUNU - EU ADORO ODIAR - UMA ODE AO ÓDIO


Discutia com meu brilhante colega Claudio Zumckeler sobre as atribuições de um bom jornalista. Dentre elas, uma que é repetida à exaustão nos bancos escolares, e sempre me chamou atenção: não ter preconceitos. Certo. É óbvio, pelo menos no discurso, que ninguém tenha preconceitos.

Como exemplo disso, usamos um personagem sobre o qual não há meio termo, ou as pessoas amam, ou odeiam. Eu o odeio, e odeio MUITO. Este personagem é o escritor Paulo Coelho, autor de bestsellers traduzidos para dezenas de países.

Reitero que meu ódio por Paulo Coelho é gratuito. Nunca li uma linha sequer de qualquer coisa que ele algum dia tenha escrito. E, a despeito de gostar de Raul Seixas, continuo odiando Paulo Coelho como se ele tivesse me feito um mal terrível. Isso mesmo, é um ódio sem nenhum motivo.

Até pairou no ar uma sensação de ódio mútuo, no instante em que um de nós lembrou de Paulo Coelho. A discussão acabaria ali mesmo. Acredito que o assunto tenha vindo à baila por causa de uma entrevista que o “mago” deu num talkshow qualquer da tevê.

Mas aí o Claudio soltou um de seus argumentos, daqueles que sempre me intrigaram. “Temos que saber ouvir o que têm a dizer até mesmo estes caras que não damos nenhuma credibilidade”, disse naquele momento meu interlocutor, completando em seguida com uma frase forte: “Mesmo eles têm algo a nos ensinar. Ainda que seja para reforçar aquele conceito que já formulamos”.

Retruquei: “Por que dar ouvidos a um cara que diz que faz chover mas nunca nos ajudou neste período de seca em São Paulo? Um sujeito milionário que diz que faz ventar mas nem uma brisinha descolou num dia poluído?”.

Rimos juntos, mas Claudio ainda tentou argumentar: “você precisa saber ouvir todos”.

Impassível – traduzam como teimoso! –, neguei até os últimos fios brancos de meu já parco couro cabeludo. “Jamais!”, depois de esvaziar meus pulmões cheios de ar poluído, graças ao egoísmo de um mago de araque que não tem amor no coração e não tem nem um tempinho para perder mandando uma reles garoa para melhorar o clima dos paulistanos.

Você deve estar pensando aí: “Que cara maldoso, ele odeia o Paulo Coelho”.
Mea culpa, mea culpa!

E não só o Paulo Coelho, mas também odeio outras celebridades e subcelebridades (obrigado, Felipão, mais uma vez, obrigado!) do showbiz.

Odeio BBB, futuros, atuais e ex-BBBs.

Odeio reality shows, que de realidade têm só a mediocridade dos participantes e, por que não?, da audiência!

Odeio guarda-chuva, verduras e legumes.

Odeio políticos e narradores esportivos. TODOS!

Odeio filme dublado e novela mexicana, brasileira, argentina, colombiana ou norteamericana.

Odeio dietas e dentistas.

Odeio telefones, fixos ou celulares.

Odeio quem atende o telefone perto de mim. Não me interessam os problemas pessoais de um imbecil que não sabe nem verbalizar o que pensa.

Odeio Chico César, Gil, Caetano e Carlinhos Brown! Estes eu odeio por odiar mesmo.

Odeio a Xuxa porque proibiu a comercialização do filme “Amor estranho amor” (note que nem me dei ao trabalho de olhar onde se coloca a vírgula nesta merda!) e as Playboys de quando ela era gostosa e posava pelada. O filme é uma verdadeira bomba, mas tinha a gostosa da Xuxa pelada!

Odeio, sobretudo, quem coloca ketchup na pizza! Tem coisa mais horripilante do que colocar ketchup na pizza? Tem? Alguém consegue me descrever crime hediondo maior do que este? Que queimem TODOS no fogo eterno do inferno!

Claudio, aceite meu pedido de desculpas por incluir um cara educado, gentil e dócil como você nesta ode ao ódio. Mas eu não consigo pensar em algo mais lúdico e saudável do que o ódio. E você, um amigo cheio de amor para dar, deve estar preocupado comigo, sabe, uma úlcera ou um tumor grave no cérebro pode me atacar por causa deste ódio gratuito. Foda-se! Adoro odiar!

Pô, Paulo Coelho, mas nem um chuvisquinho de merda para calar minha boca?

Rodrigo De Giuli

11 comentários:

  1. Bondoso e dileto demiurgo Rodrigão, como personagem desta crônica tomo a liberdade que me cabe.
    A adoração é um amor extremo, incondicional e exacerbado. Tem o feitio apropriado para religiosos ardentes. É o culto. Diria que não há fundamentalismo que se sustente sem a adoração.
    Aí reside minha preocupação com o prezado colega. Adorar o ódio, que por si só já é uma paixão, e portanto um sentimento cego, pode desembocar em grave anomalia. Quem sabe a psicanálise e o materialismo dialético em mutirão com a neurologia e a psiquiatria não encontrem aí um belo filão para pesquisas; ou algum autor encontre um magnífico personagem para desenvover sob o título " O homem que adorava odiar". Mas como eu acredito que voce declara sempre o diametral oposto daquilo que pensa, fico descansado na tranquilidade dessa crença.

    ResponderExcluir
  2. "Adorar o ódio, que por si só já é uma paixão", assim falou Zumckeller.

    ResponderExcluir
  3. Anomalia esta que eu confesso carregar. Adorar o ódio é uma forma "sadia" de desopilar meu fígado, ante tantos fajutos que, hipocritamente, dizem amar o próximo. Eu odeio e pronto. Melhor adorar o ódio do que seguir 95% da população mundial que acredita seres fantásticos ou inexistentes, como Saci-Pererê, Jeová, político honesto ou boitatá.
    Não é mesmo?

    ResponderExcluir
  4. Velho, não me leve a mal. Mas, vc é maniqueista ao extremo. Descordo de quase tudo q vc falou neste texto.

    Abrçs

    ResponderExcluir
  5. Obs.: Paul, the Rabbit, é realmente um lixo². Disso eu nunca discordaria.

    ResponderExcluir
  6. Meu comentário foi tão inconveniente... que ninguém comentou mais... Desculpa aí Rodrigão, me expressei mal.

    Abçs

    ResponderExcluir
  7. Thiagão,
    Sem drama. Textos autorais têm esta inconveniência. Ninguém liga a mínima para o que você pensa. Foda-se!
    Em tempo: maniqueísta, EU??? Nhéééé...

    ResponderExcluir
  8. Thiagão,
    Antes que eu me esqueça, ODEIO você também!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Rodrigão,
    Amanhã vou te quebrar no futebol. Espere e verá.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Caro anônimo,

    O editorial foi retirado do ar porque o STF julgou improcedente o que denunciávamos. Como a decisão é final, não cabe mais recurso, o texto fica datado, sem nenhum valor jornalístico.

    Um abraço e obrigado,

    Equipe 7CISMO

    ResponderExcluir