7 de junho de 2010

7CRÍTICA - SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA


Raízes do Brasil

No livro Raízes do Brasil, o historiador e jornalista Sérgio Buarque de Holanda faz um retrato da história deste país sob sua ótica. Membro ativo da “elite intelectual" brasileira, Holanda corroborava com a análise européia em relação ao Brasil, ou seja, de acordo com ele, a cultura brasileira era “menos desenvolvida” que a do velho continente, pois fomos colonizados pelos portugueses que eram “aventureiros”, o que tornou as relações (de forma geral) pessoais. Ainda segundo Holanda, a cultura anglo-saxã era desenvolvimentista o que levava subsequentemente, a um progresso nas suas colônias.

Mas, e quanto à Jamaica, África do Sul, Antilhas, República do Botswana, Chipre, Brunei e Dominica? Os ingleses não fizeram um bom trabalho por lá. E mesmo em relação aos EUA ou a Austrália, será que a colonização britânica foi fundamental para o progresso destes países? Eu acho que não.

Não há heróis nem bandidos nesta história. Nada ou ninguém é totalmente bom ou ruim, e o processo de desenvolvimento de um país não é determinado pela sua colonização; pela mentalidade de seus colonizadores. É muito mais complexo do que isso. Obviamente que há uma influencia, mas, não é uma regra. E quanto à “cultura mais (ou menos) desenvolvida”, isto não existe. A cultura de um povo está adequada a sua realidade, portanto, não há uma cultura melhor do que a outra. Um índio não se daria bem no centro de Paris, assim como um parisiense não sobreviveria no meio de uma selva, pois, cada cultura reflete a sua realidade.

Thiago Menezes

0 comentários:

Postar um comentário