11 de maio de 2010

FUTEBIZARRICES - BRASIL E AS COPAS DO MUNDO


O Brasil é a única seleção que participou de todas as 19 edições da Copa do Mundo Fifa, já contando com a Copa da África. Chegou a sete finais, tendo conquistado o título cinco vezes: 58, 62, 70, 94 e 02. Tornou-se a primeira seleção tri campeã mundial, o que lhe rendeu a posse definitiva da taça Jules Rimet em 70 no México e também a única Penta Campeã. As outras finais foram em 50 no Rio de Janeiro e em 98 diante da França em Saint-Denis.

Uruguai - O Brasil esteve presente para a disputa da primeira Copa do Mundo de futebol, o seu maior adversário foi o desentendimento entre times do Rio de Janeiro e de São Paulo. O qeu fez com que os melhores jogadores não participassem da competição. A seleção foi eliminada pela Iugoslávia por 2x1. O destaque brasileiro foi o jogador Preguinho, com 3 gols

Itália – Essa foi a pior participação brasileira em Copas do Mundo. Realizou apenas um jogo contra a seleção da Espanha e foi derrotada por três tentos a um. A seleção foi novamente prejudicada, desta vez pela desordem entre os dirigentes das entidades futebolísticas amadora e profissional.

França – Desta vez sem desavenças entre seus dirigentes, a seleção montou um bom time, que contava com o excepcional Leônidas da Silva no comando do ataque. Marcando sete gols no torneio, o Diamante Negro, como era conhecido foi o artilheiro. E o Brasil ficou com o terceiro lugar, tendo perdido apenas para a campeã Itália.

Brasil – Em 1950 o Brasil era tido como grande favorito. Tinha um bom time e ainda jogava em casa. A final era contra o Uruguai, já bi campeã olímpica e vencedora o primeiro mundial. Com gols de Schiaffino e Ghiggia a Celeste Olímpica conquistava o bi, Friaça marcou para o Brasil na partida que ficara conhecida como Maracanaço.

Suíça – Em 1954 o Brasil tinha uma grande seleção, Djalma e Nilton Santos, Didi, Julinho Botelho, entre outros. Mas não era o suficiente para vencer a Hungria de Ferenc Puskas e Cia. No jogo que ficara conhecido como a Batalha de Berna, a seleção brasileira foi derrotada por 4x2. Logo após o apito final, uma briga generalizada entre os jogadores manchou a eliminação dos brasileiros.

Suécia – Enfim, Campeões. Com um time com Pelé, Vavá, Zito, Garrincha, Didi, Gilmar e Zagallo o Brasil não poderia perder aquela Copa. Nem mesmo para os donos da casa. Uma peculiaridade marcou a final, ambas as seleções jogavam de amarelo. Os dirigentes brasileiros compraram então um pano azul e confeccionaram as novas camisas, para motivas os jogadores, disseram que era a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida. O jogo? 5x2 para o Brasil, fora o baile.

Chile – A base é mantida e novamente a escrete canarinho não toma conhecimento de seus adversários. Na primeira fase só não vencera a Tchecoslováquia, empate por 0x0, , mas na final não teve jeito, 3x1 e o Brasil conquistava seu segundo caneco, com shows de Garrincha e Vavá, artilheiros daquela competição.

Inglaterra – O Brasil não lembrava nem de longe as seleções campeãs das ultimas Copas. Era um time confuso. E o pior aconteceu contra a seleção de Portugal, de Eusébio, o Pantera Negra. O Brasil saiu derrotado por 3x1, sendo eliminado ainda na primeira fase. O jogo foi marcado pelas duras entradas em Pelé por parte do time português, que saiu machucado no meio do jogo.

México – A melhor seleção de todos os tempos. Assim é conhecido o time brasileiro da Copa de 1970. Pelé, Carlos Alberto Torres, Clodoaldo, Gérson, Jairzinho, Rivellino e Tostão, entre outros formaram um time memorável. Comandados por Zagallo. No jogo final contra a Itália vitória por 4x2 em pleno Estádio Azteca com mais de 100 mil espectadores. Era o Tri, e a taça Jules Rimet seria definitivamente nossa.

Alemanha – Ainda com Zagallo no comando da equipe, mas já sem o Rei Pelé, a seleção foi em busca do Tetra com uma equipe muito criticada pela imprensa da época. Mesmo tendo como base a seleção de 70 o Brasil sucumbiu diante da poderosa Holanda de Cruijff e Rinus Michels. A Laranja Mecânica não tomou conhecimento dos atuais campeões, vitória fácil por 2x0 na cidade de Dortmund.

Argentina – A Copa da Argentina foi com certeza a mais suspeita das copas. O Brasil só não chegou à final por causa da suspeitíssima goleada de 6 a 0 da Argentina contra o Peru. Resultado que eliminou os brasileiros e classificou a seleção da casa. Roberto Dinamite e Dirceu foram os destaques da campanha com três gols cada um.

Espanha -
A Seleção Brasileira era considerada a melhor equipe do mundo, recheada de craques como Zico, Sócrates e Falcão, Júnior, entre outros, comandados por Telê Santana. Mas na partida contra a Itália em Barcelona, o atacante Paolo Rossi marca os três gols italianos da partida, elimina o Brasil e torna-se o Carrasco de Sarriá.

México – Com um time tão bom quanto o da Copa passada o Brasil fora em busca do Tetra ainda com Telê Santana como técnico. Mas nova decepção, desta vez diante da França de Michel Platinni. Derrota nos pênaltis e a seleção saíra da Copa de maneira invicta, mas sem o título. E Telê ganharia de vez a fama de pé frio.

Itália – Em 90 pela primeira vez, sob o comando de Sebastião Lazaroni, a seleção utilizou o esquema 3-5-2. Foi uma lástima, a pior seleção dos últimos anos. O Brasil foi eliminado pela Argentina de Maradona e Caniggia ainda nas Oitavas, no estádio Delle Alpi na cidade de Turim. Com craques como Careca, Muller e Romário até hoje não se entende o que aconteceu com aquela seleção.

EUA – Após um jejum de 24 anos sem conquista, o time brasileiro chega aos EUA desacreditado. Com um futebol pragmático e dependente dos gols de Romário o Brasil fizera a final contra a Itália, a única sem gols na história. Na decisão por pênaltis Roberto Baggio chuta para fora e dá ao Brasil o sonhado Tetra Campeonato Mundial

França – Com o melhor jogador do mundo, Ronaldo, o Brasil chega com todo o favoritismo que uma seleção poderia ter. A perda de Romário, cortado por lesão, nem parecia ter afetado o time. O Brasil era de fato o melhor time do mundo. Só esqueceram de avisar isso para a França de Zidane. Na final, 3x0 com dois gols do craque francês, seus únicos em toda Copa.

Coréia do Sul/Japão – Com uma seleção jovem e novamente no fracassado esquema 3-5-2, agora sob a batuta de Luis Felipe Scolari, a seleção chega com desconfianças á Copa. Mas com sete vitórias em sete jogos, o time passa a ser comparado ao de 1970. Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho brilham e o Brasil conquista o Penta em uma final contra a Alemanha, 2x0 com dois gols do artilheiro Ronaldo, fez oito no total.

Alemanha – Mantendo a base de 2002 a seleção chega cheia de pompa ao Mundial de 2006. Mas o favoritismo não se concretizou dentro dos gramados e novamente Zidane, novamente a França de 86 e 98. Após gol de Thierry Henry, em falha bisonha da zaga brasileira o Brasil é eliminado e se torna freguês dos franceses. Brasil 0x1 França na cidade de Frankfurt.

Curiosidades

Em 1958 a seleção brasileira não enviou a numeração da camisa de seus jogadores, coube ao jornalista uruguaio, Lorenzo Villizio, membro do Comitê Organizador a indicação dos números. O goleiro Gilmar ficou com a 3 Garrincha com a 11, Zózimo que era o zagueiro reserva jogou com a 9, Vavá ostentou a 20 e por uma feliz coincidência, quis o destino que um jovem garoto de 17 anos jogasse com a 10. Era Pelé.

A Copa da Suíça em 1954 foi a primeira em que o Brasil usou camisa amarela com detalhes verdes. Anteriormente a seleção brasileira atuava toda de branco. E em 1958 foi adotado o segundo uniforme azul. A final foi contra a Suécia, dona da casa, que também jogava de amarelo. Para motivar os jogadores o dirigente Paulo Machado de Carvalho disse que jogariam com a cor do manto sagrado de Nossa Senhora Aparecida, aparentemente deu certo e o Brasil sagrou-se campeão.

COPAS

1930 – A primeira Copa do Mundo FIFA foi disputada no Uruguai. A escolha foi uma homenagem ao país que comemorava o centenário de sua independência e também pelos dois títulos olímpicos da seleção uruguaia. Treze equipes participaram daquele mundial: Argentina, Bélgica, Bolívia, Brasil, Chile, Estados Unidos, França, Iugoslávia, México, Paraguai, Peru, Romênia e o Uruguai. A final foi disputada no Estádio Centenário em Montevidéu, e a Celeste Olímpica venceu a Argentina pelo placar de 4x2.

1934 – A segunda Copa do Mundo Fifa foi também a primeira disputada em solo europeu, na Itália. A final foi disputada no Estádio Nacional de Roma e a equipe anfitriã derrotou a Tchecoslováquia pelo placar de 2x1 no dia 10 de julho. Participaram deste mundial as seleções da Argentina, Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Espanha, Estados Unidos, Egito, França, Holanda, Hungria, Romênia, Suécia e Suíça, além das duas finalistas.

1938 – Na França em 1938 o Brasil faz sua primeira grande participação em um Mundial. Com uma vitória sobre a Suécia por 4x2 o escrete canarinho alcançou o terceiro lugar, tendo perdido a semi-final para a Itália que se tornaria Bi-campeã do torneio ao vencer a seleção da Hungria no dia 19 de Julho no Estádio Olímpico de Colombes, em Paris pelos mesmos 4x2. Leônidas da Silva fora o artilheiro daquele torneio com 7 gols.

1950 – Por decorrência da Segunda Guerra Mundial os Mundiais de 42 e 46 não foram realizados. A Copa só voltaria a ser realizada no ano de 1950, no Brasil. A segunda em continente americano, já que a Europa estava totalmente devastada e em reconstrução. O Brasil se destacava como grande favorito. Diante de um Maracanã com mais de 200 mil pessoas o uruguaio Ghiggia fez gol que sacramentou os 2x1 em umas das maiores decepções da seleção brasileira em todos os tempos. Uruguai Bi-Campeão.

1954 – A Copa retorna a Europa para ser disputada na Suíça. Novamente um grande surpresa aconteceria na final, a grande favorita era a seleção da Hungria que encantava a todos com um futebol bonito e envolvente. Comandados pelo mito Puskás a seleção húngara sucumbiu diante da Alemanha Ocidental por 3x2, no Estádio Wankfort em Berna. O detalhe é que na fase de classificação os húngaros aplicaram um sonoro 8x3 nos alemães.

1958 – A sexta Copa do Mundo foi disputada na Suécia. O torneio marcou a estréia de um dos maiores jogadores de todos os tempos, Pelé, então com 17 anos. Esta edição contou com a participação de 16 equipes. A final fora disputada no estádio Rasunda na cidade de Estocolmo. Com gols de Vavá, Pelé e Zagallo o Brasil derrotou a anfitriã por 5x2 vencendo seu primeiro torneio da Fifa.

1962 – O mundial retornava às Américas, disputada no Chile. O Brasil entrara como o grande favorito, pois mantivera a base do time campeão de 1958. Sem grandes dificuldades a seleção brasileira chegou à final em 17 de junho no estádio Nacional do Chile, na capital Santiago. O adversário era a Tchecoslováquia, na primeira fase empate por 0x0 na final vitória por 3x1 e o Brasil se tornaria a terceira seleção Bi-campeã Mundial.

1966 – A oitava Copa do Mundo foi disputada na Inglaterra. A seleção da casa se tornou a terceira anfitriã a faturar o mundial, Uruguai em 1930 e Itália em 1934 foram os primeiros. Na final, vitória por 4x2 sobre a Alemanha Ocidental no famoso Estádio Wembley, em Londres. A final foi umas das mais polêmicas, no tempo normal as seleções empataram por 2x2. Até hoje se discute se o terceiro gol inglês, marcado na prorrogação, entrou ou não.

1970 – A taça do mundo é nossa. Para a Fifa, a primeira seleção que ganhasse três torneios levaria em definitivo para casa a Taça Jules Rimet, e isso acontecei no dia 21 de julho de 1970. A seleção brasileira enfrentava a italiana na decisão em um lotado Estádio Azteca, na Cdade do México. Com um futebol que encanta o mundo até hoje, o selecionado derrotou até com certa facilidade a Itália por 4x1. Uma verdadeira aula de futebol arte. Brasil, o primeiro Tri-Campeão da Copa do Mundo.

1974 – Em 1974 uma seleção encantava o mundo, comandados fora de campo por Rinus Michels e dentro dele por Johan Cruijff a seleção da Holanda era conhecida como Laranja Mecânica. Os alemães tinham o capitão Franz Beckenbauer e o goleador Gerd Muller, nada que pudesse assustar a incrível seleção holandesa. Na final, no estádio Olímpico de Munique, os 2x1 da Alemanha Ocidental deixou atônitos os mais de 75 mil torcedores presentes.

1978 – A décima primeira edição do Mundial foi também uma das mais polêmicas. A Argentina estava no meio de um regime militar. Muitos jogos da seleção anfitriã geram desconfianças até hoje, o principal deles os 6x0 sobre o Peru. Placar que tirou o Brasil da final do torneio, classificando os argentinos. No tempo normal no estádio Monumental de Nunez, em Buenos Aires, 1x1. Na prorrogação vitória Alviceleste por 3x1 sobre a Holanda.

1982 – Desta vez, não uma seleção, mas sim um jogador tiraria o Brasil da Copa. Paolo Rossi ficara conhecido por todos com o Carrasco de Sarriá, por marcar os três gols que eliminaria o Brasil daquela Copa. Itália 3x1 Brasil. Os italianos chegariam ao Tri-Campeonato, derrotando na final a Alemanha Ocidental no Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, na Espanha. Rossi terminou o tornei também como artilheiro, como 6 gols.

1986 – O jogo mais conhecido desta Copa não foi a final. Nas quartas de final, Maradona fizera dois gols contra a Inglaterra que entrariam para a história. O primeiro driblando desde o meio campo metade do time inglês e o segundo, com a mão, ou como ele mesmo diz com “La Mano de Dios”. Na final, Argentina 3x2 Alemanha Ocidental, novamente uma seleção sul-americana encantava o mundo dentro do Estádio Azteca, no México.

1990 – Pela primeira vez na história duas seleções reeditavam uma final de Copa do Mundo. Desta vez, na Itália, dentro do Estádio Olímpico de Roma a Alemanha Ocidental tivera sua revanche diante da Argentina, que já havia eliminado o Brasil e a anfitriã Itália. Desta vez os alemães tiveram melhor sorte, vitória por 1x0, gol de Brehme de pênalti já no final do jogo. Alemanha se torna a terceira Tri-Campeã Mundial.

1994 – A décima quinta Copa do Mundo Fifa foi disputada nos Estados Unidos. O Brasil entrara sem muito favoritismo, o que parece ter ajudado o time de Carlos Alberto Parreira. Jogando um futebol pragmático a seleção chegou com dificuldades à final contra a Itália, reeditando a final de 1970. A decisão ficou marcada como a primeira sem gols. Após uma prorrogação também sem gols, vitória brasileira nos pênaltis por 3x2.

1998 – A França recebe pela segunda vez uma Copa do Mundo. O favoritismo é todo brasileiro. Manteve-se a base de 94 reforçada com Ronaldo, o melhor do mundo na época. A França apresentava um bom futebol, comandados por Zinédine Zidade chegou à final, surpreendendo a todos. Mas a maior surpresa foi mesmo os 3x0 no dia 12 de julho em um lotado Stade de France, em Saint-Denis. Zidane marcara seus únicos dois gols na Copa. França Campeã Mundial.

2002 – A Copa foi disputada pela primeira vez em solo asiático, Japão e Coreia do Sul dividiram os jogos. Os grandes favoritos França e Argentina, surpreendentemente foram eliminados já na primeira fase. O melhor jogo não foi a final, foi o emblemático Brasil 2x1 Inglaterra. A Alemanha não jogou contra ninguém e chegou à final facilmente. Mas fácil foi a vitória brasileira com dois gols de Ronaldo tornando o Brasil o primeiro, e ainda único, Penta Campeão mundial de futebol.

2006 – Na Alemanha só se falava em reeditar a ultima final. Queriam a revanche contra o Brasil. Mas os brasileiros caíram já nas quartas contra seus carrascos de sempre, a França. Já os alemães sequer chegaram a final, sucumbiram diante da Itália na semi. Com ambos os favoritos eliminados, a final só poderia ser entre italianos e franceses. Depois da expulsão de Zidane, por responder com uma cabeçada as provocações do zagueiro Materazzi, 1x1 no tempo normal e 5x3 nos pênaltis. A Itália chega o Tetra.

2010 – Pela primeira vez a Copa é disputada no continente Africano, na África do Sul de Nelson Mandela, do apartheid, do Rugby. 32 seleções já estão classificadas para a disputa do décimo nono mundial da Fifa, são elas: África do Sul, México, Uruguai e França no grupo A; Argentina, Nigéria, Coreia do Sul e Gréica no grupo B; Inglaterra, EUA, Argélia e Eslovênia no grupo C; Alemanha, Austrália, Sérvia e Gana, no grupo D; Holanda, Dinamarca, Japão e Camarões formam o E; Itália, Paraguai, Nova Zelândia e Eslováquia no F; Brasil, Coréia do Norte, Costa do Marfim e Portugal no forte grupo G; e por fim Espanha, Suiça Honduras e Chile no grupo H.

Curiosidades

Grandes fiascos das Copas
Algumas seleções encantaram o mundo do futebol mesmo sem conquistas o título. Primeiro time a decepcionar seus torcedores foi a Hungria em 1954. 20 anos depois o mesmo aconteceria com a Holanda, jogava por música o afamado Carrossel Holandês, mas sucumbiu para a Alemanha Ocidental que também havia vencido os húngaros. O Brasil de 1982 encantou a todos, mas não trouxe o caneco. Outra decepção foi a França em 2002.

Grandes craques das Copas
A cada copa surge um novo destaque, um novo craque, um novo ídolo. Em 54, Puskas. 58 foi a vez de Garrincha. No Chile Pelé de destacava. Em 1966 outro negro, Eusébio. Em 1970 no México uma constelação brasileira, impossível citar apenas um. Em 1974 duas estrelas brilharam, Johan Cruijff e Franz Beckenbauer. Em 82 surgiu o goleador Paolo Rossi, além de Zico e Michel Platini. No México conhecemos Maradona e sua mão abençoada. Romário foi genial em 94, na copa seguinte Zidane foi quem mais brilhou. Na ásia Ronaldo foi a estrela.


Renato Souza

3 comentários:

  1. voceis poem a décma quinta copa do mundo mas não poem a décima sexta nem a décima setima

    ResponderExcluir
  2. Desculpe-me, mas todas as 18 Copas disputadas estão aí.
    Inclusive a décima nona que será a Copa da África do Sul.
    A 15ª foi a dos Estados Unidos.
    A 16ª a da Franca e a 17ª foi dividida entre o Japão e a Coréia do Sul.

    Não entendi o seu comentário, querido leitor.

    ResponderExcluir
  3. Renatão,

    Só para constar... Acho que é o inverso: 58 foi a Copa do Pelé e 62 do Garrincha... Se não me engano, o Rei se machucou nas primeiras rodadas do Mundial...

    ResponderExcluir