21 de setembro de 2009

REALPOLITIK - CARTA AO ELEITOR


Eleitor, nós sabemos que administrar uma casa dá trabalho. Todavia zelar pela segurança e bem estar da nossa família, justifica o esforço.

Nossa casa faz parte da cidade. A cidade é a extensão das nossas moradias. Entretanto, quando nos locomovemos para além dos limites urbanos em que residimos, encontramos outras cidades e outros estados, deparamos com pessoas que compartilham conosco a condição de brasileiros.

O território nacional é um espaço comum, portanto deve estar organizado para servir ao conjunto dos cidadãos nele residentes. Somos uma nação com cerca de 190 milhões de seres humanos.



Em nossos lares planejamos melhorias, avaliamos gastos, contratamos serviços, fiscalizamos obras e pagamos as contas. Visamos gozar as benesses adquiridas em comunhão e harmonia.
No município, conjunto que alberga nossas moradias, os problemas são mais amplos, as soluções mais complexas e os custos, maiores. Essas questões, no que tange aos deveres e direitos, ganham maior amplitude e complexidade quando referentes ao conjunto de municípios, o estado e, mais ainda, quando concernentes à federação dos estados, à União, enfim, ao País. Todavia a finalidade, em essência, é similar à de uma casa: a preservação de uma ordem permeada pela partilha equânime entre ganhos e perdas.

No Brasil, fatores históricos como a colonização, a escravatura, a política agrária e o desenvolvimento industrial e tecnológico imprimiram no conjunto de cidadãos uma perversa diversidade econômica. Há um imenso abismo separando de um lado, grupos com níveis de qualidade de vida comparados às maiores potencias econômicas do planeta, e do outro, grupos que variam gradativamente defasados até desembocarem em uma maioria que sobrevive abaixo da dignidade humana.

O governo federal, assim como os municípios e estados, são pessoas jurídicas. Grosso modo, um conglomerado de empresas públicas das quais todo brasileiro deve ser cooperador e beneficiário.
As empresas industriais, de serviços, os agronegócios, os bancos nacionais e multinacionais de caráter privado desenvolvem, com os setores estatais, a criação das riquezas. Todo cidadão é proporcionalmente colaborador dessas arrecadações. Não somente a segurança, a saúde, a educação e o emprego, como também a cultura, o lazer e as obras devem, acima de tudo, beneficiar o conjunto social de uma nação.

Em outubro de 2010, alguns brasileiros serão candidatos a administrar os rumos do país. Eles disputarão cargos de presidente da república, de senadores, de deputados federais e estaduais, e de governadores de estado. Através do voto popular, passarão a atuar como funcionários públicos e estarão incumbidos, dentre outras tarefas, de administrar o dinheiro público.
Cabe aos senadores e deputados igualmente eleitos, além de fiscalizar a administração do presidente e dos governadores, aprovar e criar leis que orientem o executivo para atitudes exclusivamente voltadas ao benefício público.

É dever e direito de todo cidadão participar da administração pública. É fundamental cobrar obras, unir esforços, organizar grupos de cooperação.
Em uma sociedade em que o indivíduo cuida do interesse público com atenção semelhante a que dedica a sua casa, não há espaço para corrupção e demagogia. Portanto, além de votar, é preciso zelar, exigir e fiscalizar. Vamos trabalhar para dar cabo à vida política daqueles que têm feito da coisa pública um clube de privilégios.

Claudio Zumckeller

Um comentário:

  1. Muito Verdadeira sua forma de ver nossa condição de brasileiros...só sinto grande
    tristeza por saber q sendo essa nação de
    190 milhões....pessoas como Vc e Eu, q tem
    acesso a informações fundamentais, somos a
    minoria....
    Nesse País onde a maioria dos seres humanos
    precisam se preocupar com o pão nosso de cada dia e não lhes dá oportunidade de cuidarem da sua própria educação e cultura...políticos inescrupulosos se aproveitam da miséria humana pra poderem vomitar seus discursos demagógicos!
    Parabens pela sua matéria....Infelizmente,ainda
    Utópica!!

    ResponderExcluir