24 de agosto de 2009

MISCELÂNEA - O BRAZIL FORA DO BRASIL


Se você for para algum país aprender a língua inglesa, cuidado com os brasileiros.
Eles falam que são eles que te ajudam sempre que você precisa. Eu sei que fazer amizade com brasileiros é sempre mais fácil, mas na verdade, qualquer amigo independente da nacionalidade, se realmente for seu amigo, irá te ajudar. A diferença é que brasileiros são metidos a camarada. Isso pode não ser bom dependendo de seus reais objetivos.

Meu objetivo: Ficar na Irlanda até terminar o curso de inglês e receber o certificado do Cambridge, aproveitar que estou em um país diferente para vivenciar a cultura e a língua, usar a oportunidade que tenho para montar meu portfólio e ganhar mais experiência como fotógrafo. Voltar para o Brasil sem nunca mais perder uma oportunidade de emprego por não ser fluente em inglês.

Pelo que vejo, mais de 90% dos brasileiros não estão na Irlanda para aprender inglês. Isso é usado como pretexto por muitos para permanecer legalmente em um país que paga um mínimo de €8,30 por hora. Sinceramente, a maioria não esta nem aí em aprender inglês. A maioria se isola em comunidades brasileiras, fazendo o velho arroz com feijão em casa, assistindo Gugu, Faustão, novelas, além das rádios brasileiras que acompanham pela internet. Ou seja, transformam tudo que podem em "Brasil", morando apenas com brasileiros que, normalmente, se recusam a praticar inglês e vão para escola o mínimo possível para que não percam o visto. Isso tudo resulta em inúmeros brasileiros que estão há mais de um ano na Irlanda falando um inglês precário. O único interesse destes está no salário que recebem semanalmente em subempregos.

Obviamente, eles não vão poder ficar na Irlanda para sempre. Renovam o visto por 3 ou 4 anos consecutivos, mas uma hora o visto será negado. Se não se casarem com um (a) Europeu (ia) de algum país membro da União Européia, ou se não ficarem ilegais na Irlanda, eles terão que voltar para o Brasil com o dinheiro que sobrou das viagens pela Europa e produtos de marca. O que fazem a partir de então? Viram professores de inglês de uma escola fundo de quintal, que paga uma miséria e que aceita o precário inglês do professor que "morou fora"?

O dinheiro que foi juntado uma hora acaba. Boa parte foi deixada na imigração com o pagamento do imposto. A tendência deles é continuar suas vidas a partir de onde pararam quando saíram para viajar. Ganharam vivência, experiências, lembranças, mas não trouxeram de volta algo que seja válido para continuar a vida em um país em que não é possível sobreviver confortavelmente como faxineiro, fazendo lanches em fast-food, entregador de jornal ou de pizza. É isso que esta acontecendo com boa parte dos brasileiros que conheci na Irlanda e que foram obrigados a voltar para o Brasil. Até tentam empregos que exigem a fluência da língua, mas não chegam a passar na prova.

Ainda existem brasileiros frustrados iguais a mim. Que nunca foram nas festas brasileiras que acontecem todo final de semana, que nunca entraram nas lojinhas de comida típica brasileira e que tenta convencer os amigos brasileiros a usar o inglês para praticar e vivenciar a língua. Somos chatos, nos recusamos a andar apenas com brasileiros, só lemos sites de noticias brasileiras que falem sobre o Brasil. Temos jornais na Irlanda, para saber o que acontece no mundo a fora e na própria Irlanda. E somos diferentes porque estamos informados acompanhando o que a imprensa fala. Até mesmo sabemos quem é o Presidente e o Taoiseach do país. Tudo isso, para aproveitar ao máximo o dinheiro e esforço gasto para sair do Brasil, para naturalmente pensar em inglês e sonhar em inglês todas as noites, para realmente se sentir em outro país e inserido em outra cultura. Oportunidade que nunca haverá no Brasil, onde existirá Gugu, Faustão, novelas, rádios, festas e onde poderemos usar o português para o resto de nossas vidas.

Se você for a algum país para realmente aprender inglês e voltar para o Brasil com a expectativa de conseguir mais oportunidades, não deixe de ter amigos brasileiros, mas não se isole no mini-Brasil das comunidades brasileiras. Aproveite o momento para realmente conhecer o país em que você se encontra e aproveite para fazer amizades com estrangeiros. Eu garanto que sua experiência será muito mais enriquecedora desta maneira. Isso não é negar a raça, não é deixar de ser brasileiro, mas sim ser um brasileiro mais rico em aprendizado, experiências e oportunidades duradouras.

Portfólio: http://marciofs.daportfolio.com

Marcio Faustino - Correspondente da Irlanda

4 comentários:

  1. CARA
    BEM QUE EU QUERIA VIAJAR ESSE PAÍS TODO! :D

    ResponderExcluir
  2. Pois é amigo But I'm Happy não é mesmo, afinal tempo passa aprender qualquer coisa que seja nos torna mas sabidos, entretanto tem pessoas que preferem apenas mundo, nada mais do que isso....

    ResponderExcluir
  3. Márcio,
    Aproveite bem a oportunidade que você tem. Viajar amplia os horizontes, traz conhecimento, cultura. Concordo com seu texto 110%. Fuja dos brasileiros no exterior! Viva com o nativo, aprenda com ele.
    Rodrigo De Giuli

    ResponderExcluir